Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Posted in:

Depressão pós-parto: entenda o que é e porque é tão sério

A depressão pós-parto está rodeando você ou alguma mamãe conhecida?

Depressão pós-parto não costuma ser um tema tão abordado quanto deveria, e isso é preocupante. Cerca de 2 milhões de mulheres são vítimas dessa  difícil condição emocional e psicológica, todo ano, e ainda assim, se fala tão pouco a respeito.

Por isso, trouxe para vocês esse post: para ajudar você a entender melhor do que se trata depressão pós-parto, tirar as suas dúvidas e principalmente, perceber o quanto isso é sério e precisa ser tratado.


Você também pode se interessar por esse conteúdo: Tudo o que você precisa saber sobre o sono do bebê


Eu não tive depressão pós-parto, mas conheço muitas mulheres que tiveram. E mesmo não tendo passado por isso, diante da loucura que todas nós mães passamos nas primeiras semanas de vida do bebê, eu senti na pele uma sobrecarga emocional tremenda.

Isso, me sensibilizou muito e me motivou a trazer esse esclarecimento para as minhas amigas mães. Portanto, compartilhe esse conteúdo com seu marido, suas irmãs, amigas, enfim, com tantas pessoas quanto puder! Que seja de ajuda para todas as mães!

Pari e não paro de chorar. É depressão pós-parto?

Seria fácil e cômico se não fosse trágico e muito sério. É um tema delicado que não dá para tratar com tanto humor… Os 40 dias pós-parto são uma coisa de louco!

A gente ouve histórias, lê livros e artigos sobre esse período, mas só entende mesmo depois que vive na pele.

Isso aconteceu comigo, provavelmente aconteceu (ou está acontecendo!) com você, e na verdade, isso faz parte! Chorar mais (muito mais) do que o normal, faz parte! Afinal, é muita emoção e sentimentos misturados para serem vividos repentinamente, e ao mesmo tempo.

mamae-super-poderosa-mulher-desesperada-depressão-pós-parto
É normal sentir desespero e vontade de chorar nas primeiras semanas de vida do bebê. O que não é normal são os sintomas de depressão

Tem desespero, sim. Porque, afinal, você agora é mãe e está com um “ser humaninho” de poucos dias no seu colo, que depende totalmente de você para tudo: comer, dormir, tomar banho, trocar fralda, parar de chorar, enfim, viver!

De repente, ele saiu de dentro de você e trouxe todas essas responsabilidades que você não tinha antes! O desespero vem da insegurança de estar descobrindo e fazendo algo pela primeira vez, algo que exige responsabilidade por uma vida!

Além disso, há a dúvida de como será enfrentar toda essa novidade e ainda ter que conviver com um novo corpo: leite pingando do seu peito, cortes e muito sangue saindo de dentro você, gases, inchaço… enfim: é muita informação de uma vez só!

Tudo isso junto com cansaço extremo! A expectativa, a tensão e a emoção do parto não são coisa pouca. É uma avalanche de sentimentos muito fortes, dores,  incômodos físicos e pressão psicológica. Então minha amiga, é aí é que o bicho pega!

mamae-super-poderosa-mae-cansada-depressão-pós-parto
O cansaço é inevitável na maternidade, por isso, é preciso aprender a lidar com ele

Afinal de contas, o que é depressão pós-parto?

Diferente do “estresse e desespero” pós-parto, a depressão pós-parto é uma condição bem mais séria. Melancolia, vontade de chorar por tudo e por nada, medo e verdadeiras curvas sazonais de alegria e tristeza, até que são comuns.

Mas a depressão pós-parto vai além de tudo isso: junto com essas emoções que já não são nada fáceis, a mulher tende a sofrer com insônia, falta de apetite, dificuldade para interagir com outras pessoas e extrema irritabilidade.

Em alguns casos mais severos, a mãe pode, inclusive, sentir raiva do bebê e representar perigo para ele. Isso gera dificuldade para que a mãe consiga criar um vínculo com o bebê, o que interfere diretamente nos cuidados dele e na amamentação.

Em resumo a depressão pós-parto é uma combinação de fatores genéticos, hormonais e até ambientais. Ela pode durar meses e até anos se não for tratado; e pode até evoluir para uma condição mais grave.

Depressão pós-parto, baby blues e depressão puerperal são a mesma coisa?

Eu tive um MEGAbaby blues”. Durou cerca de 20 dias. Eu chorava à toa, toda hora, todo dia. Vivi uma sensação de melancolia constante, que depois passou.

Mas eu não tive depressão pós-parto. Eu tive todo o lance do medo, cansaço, ansiedade e tristeza que dá em todas as mães logo nos primeiros dias, e depois passa. Isso é denominado “baby blues” , tristeza pós-parto ou ainda, depressão puerperal.

Depressão pós parto te dá outros sinais mais sérios como: rejeição, arrependimento, ansiedade acentuadíssima, desânimo, sensação de impotência e muito choro. Muito mesmo e por muito tempo.

Dizem que estes quadros são mais fortes nas mães de primeira viagem, pois, os sentimentos e sensações experimentados são muito intensos e novos. Mas conheço mais de um caso de mães que tiveram todos esses sintomas também com o segundo filho.

Porque aí tem mais coisa ainda, né…

Tem a culpa de não dar atenção para o primeiro, tem a dificuldade em aceitar que não vai conseguir ser mulher maravilha e cuidar de dois ou três sozinha, tem o medo de delegar e renegar o segundo filho, tem a chantagem emocional do primeiro… Afff! Parece um furacão.

O que causa depressão pós-parto?

Depois de alguns dias de recuperação no hospital você chega em casa e descobre que o dia e a noite são a mesma coisa, que dormir é um luxo e que a vida de cuidados com o bebê é muuuuuito mais cansativa do que você um dia imaginou.

Eu chorei de preocupação (que eu nem sabia direito do quê) várias vezes. Eu chorei de exaustão mais algumas tantas vezes.

Tem hormônio a todo vapor. A gente sente, mas não sabe e não vê por dentro: o corpo da mulher passa por uma transformação maluca quando entra em trabalho de parto e logo após o parto. São muitos hormônios agindo para que tudo funcione como deve ser.

A ocitocina, conhecida como hormônio do amor, é a grande responsável por provocar todas as movimentações que farão o bebê sair do útero. É ela também que vai fazer você se apaixonar por aquele pacotinho rapidinho

Além dela, o corpo trabalha com uma montanha-russa de substâncias para fazer o útero voltar ao tamanho original, para regular a produção de leite, para te deixar mais alerta e menos sonolenta.

mamae-super-poderosa-mae-beijando-bebe-depressão-pós-parto
São muitas transformações e emoções ao mesmo tempo, e esse impacto é o perigo

Muita emoção, sentimentos, medos: algumas mulheres têm mais dificuldade com tudo isso

É uma fase muito intensa, em que eu me senti realmente como um bicho, tipo animal com instintos aguçadíssimos, capaz de sentir cheiros e ouvir barulhos à distância!

E agora, que essa fase já passou, eu posso falar bem a verdade: é tudo muito louco, rápido e devagar ao mesmo tempo. A gente fica meio fora do tempo do resto do mundo e entra numa espécie de “mode-on da maternidade”.

E o medo? Tem medo, sim. Minha filha fez um barulho estranho… O que é isso? Eu tô fazendo direito? Esse choro é normal? Ela dorme sem parar! E se ela engasgar? Está respirando? Essa mancha, de onde veio? Ah! Medo de tudo!

Parece que vai quebrar! Parece que tudo o que a gente faz pode causar alguma coisa. Pânico total. Medo do novo, do inesperado.

Afinal, apesar de não parecer, seu bebê é um outro corpo, que age e reage de forma diferente. Até a gente entender e aceitar isso demora, viu!

Dá um aperto no peito e uma ansiedade enorme pra saber se está tudo bem. É nessa hora que a mãe se transforma na “maluca-que-manda-mensagem-para-o-médico” sem parar (meu marido ficou com medo do pediatra desistir da gente! rs).

Liga de madrugada, vai checar no Google e simplesmente se apavora (atire a primeira pedra quem nunca se comportou assim)!

E o que causa a depressão pós-parto, afinal?

Bom, será que ainda preciso dizer o que causa a depressão pós-parto? Acho que essa verdadeira avalanche de sentimentos e acontecimentos explicam por si só.

O que acontece no final das contas, é que algumas mulheres, talvez mais sensíveis, ou que já possuam algum abalo emocional ou até que recebem menos apoio e compreensão, enfim, criam uma sobrecarga emocional e psicológica tão alta que chegam à depressão.

Quais os sintomas de depressão pós-parto

Como essa doença é uma condição, ela pode causar falta de energia crônica para realizar até as atividades mais simples do dia a dia, como tomar banho e comer. Outros sintomas são:

  • Dificuldades para se apegar ao bebê;
  • Choro constante;
  • Insônia;
  • Perda de apetite;
  • Necessidade de solidão;
  • Agressividade;
  • Insegurança;
  • Baixa autoestima.

Quanto tempo depois do parto a depressão pós-parto acontece?

A tristeza pós-parto que é uma condição comum, surge em dois ou três dias depois do bebê nascer. Em cerca de cinco dias atinge o seu auge, e deve sumir em cerca de dez dias. Já a depressão pós-parto instala-se lentamente.

Em cerca de quatro até seis semanas depois do parto, é que o quadro de depressão pode tornar-se realmente intenso. É preciso ficar atenta!

Existem mulheres mais propensas a ter depressão pós-parto?

Sim. Mulheres que já têm histórico de depressão ou distúrbios emocionais severos, têm mais chances de desenvolver depressão pós-parto.

Depressão pós-parto durante a gravidez, é possível?

É possível que ocorra depressão durante a gravidez. No entanto, não é considerada uma depressão pós-parto, pois, essa só ocorre após o bebê nascer. A depressão durante a gravidez está relacionada a ansiedade e ao medo do desconhecido pré parto.

Como evitar depressão pós-parto

A principal dica para evitar a depressão pós-parto, é tratar o seu emocional e seu psicológico, da mesma maneira que você trata sua parte física. Aliás, isso deveria ser uma regra, porque é tão importante quanto, ou mais.

Esses cuidados precisam ser levados à serio, durante a gestação e depois, também.

Tratamentos para depressão pós-parto

Se não for tratada, a depressão pós-parto pode durar muitos meses. Além disso, estudos dizem que as mulheres que têm depressão pós-parto, tem mais facilidade para desenvolver depressão em outros momentos de suas vidas.

O tratamento da depressão pós-parto pode incluir terapia, tratamento de reposição hormonal e até mesmo o uso de antidepressivos. Porém, é muito importante que haja muito compreensão e apoio dos familiares e amigos, além de acompanhamento médico regular.

Essa é uma doença, como tantas outras, e precisa ser encarada como. Há muitos casos em que as pessoas próximas acham que a mãe está com frescura ou desequilibrada, é isso, pode atrapalhar (e muito!) na recuperação.

mamae-super-poderosa-mae-com-bebe-preocupada-depressão-pós-parto
A depressão pós-parto precisa ser levada a sério e tratada

Como lidar? Não sou especialista e nem médica, mas acredito que o melhor caminho é entender que tudo isso faz parte do processo de “ser mãe” e que é sempre válido procurar um ESPECIALISTA quando a coisa ficar preta.

De duas uma: ou aos poucos essas sensações vão melhorando, porque não era bem uma depressão pós-parto e sim um quadro mais leve como o baby blues, ou você melhora porque procurou ajuda e foi orientada.

De todo jeito, procure descansar, pois, isso é fundamental (e foi aí que eu errei)! Além disso, coma bem, beba muita água, converse com amigas e outras mães, e aceite ajuda! Isso é uma decisão inteligente.

Conclusão: Cuidado com a depressão pós-parto

Além de tudo isso aí que citei, tem mais um monte de outras coisas que te irritam profundamente e te deixam totalmente sem paciência:

  • Marido que ajuda mas não sabe como, e você precisa dar orientações até sobre o que você também não sabe;
  • Marido que não ajuda em nada e fica cobrando atenção sem se dar conta do que o bebê precisa;
  • Mãe que vem para ajudar mas se comporta como visita na sua casa;
  • Sogra que é um amor, mas insiste em dar palpite em tudo e fica comparando o seu bebê com o filho dela;
  • Visitas que chegam de uma hora para outra… enfim, a lista é imensa!

E a sua vontade? É só de ficar quietinha dentro do quarto escuro esperando passar, agarradinha com o seu pacotinho, no silêncio absoluto, se for possível.

Tudo isso junto tem vários nomes: puerpério, “baby blues” ou, em casos mais graves e intensos, depressão pós-parto. Em algumas mulheres as coisas são mais bravas. Em outras, mais leves.

No entanto, é fato que toda essa avalanche de sentimentos acontece mesmo, e por isso, é preciso que, não apenas a mamãe, mas todos a sua volta estejam cientes disso.

Além disso, todos precisam saber até que ponto, isso tudo é comum, ou está evoluindo para uma depressão pós-parto.

mamae-super-poderosa-depressão-pós-parto
Todos precisam estar atentos aos sinais de depressão pós-parto

O mais importante!

É de grande importância não negligenciar os sentimentos e saber quando eles se aprofundam.

A depressão pós-parto é séria e precisa ser bem acompanhada e diagnosticada, ok? E não há vergonha nenhuma nisso! Faz parte. Acontece muito e tem tratamento. Ponto. 😉

Mas, de verdade, o mais importante de tudo é ter a consciência de que você é a melhor mãe que seu bebê poderia ter! Fique em paz, com a certeza de que vai dar tudo certo!


Veja algumas outras informações que podem te ajudar bastante:


Compartilhe conosco a sua história e sua opinião sobre depressão pós-parto: deixei aqui os seus comentários! Mães interagindo e desabafando, é muito confortante! 🙂

ebook-depressão pós-parto

 

Falando de outro desespero na vida da mãe, uma coisa que me ajudou muito foi saber os marcos de desenvolvimento do bebê.

Assim, pude observar melhor a minha filha, desde o primeiro mês, sabendo exatamente como eu devia me preocupar e direcionar as conversas com o pediatra.

Por conta disso, reuni as principais informações sobre os marcos de desenvolvimento para facilitar a sua vida.

Você pode baixá-lo gratuitamente aqui ➡ http://bit.ly/desenvolvimento-do-meu-bebe ⬅.

Beijos,

 

Juliana Sá e Olívia - Mamãe Super Poderosa

Jú Sá

Blog Mamãe Super Poderosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *